terça-feira, outubro 09, 2007

Obra aberta

OBRA ABERTA
de Umberto Eco


Usamos tantas vezes este expressão "obra aberta" e
muitos não sabem de onde vem.

"Obra Aberta" é um livro que surgiu em meados dos anos 60
e foi escrito por
Umberto Eco.
Apareceu num momento em que a arte europeia assistia
à proliferação de obras de arte indeterminadas, convidando o interprete
a participar activamente na construção final do objecto artístico.


A "poética da obra aberta" vai de encontro ao pensamento do post publicado anteriormente, na medida em que a sua intencionalidade
é possibilitar várias interpretações,
apresentar-se de várias formas,

e cada uma delas, submeter-se ao julgamento do público.

O autor, acredita que Obra aberta
"é aquela que aumenta a entropia da mensagem,
fazendo com que o receptor da mensagem
disponha de inúmeras possibilidades diferenciadas
a partir do universo de escolhas".


Ora, estas possibilidades,
desejo que sejam tocadas pelo espectador,
de modo a torná-lo co-criador.



1 comentário:

Rogério Nuno Costa disse...

não confundir "obra aberta" com "obra interactiva". não se trata se pôr os espectadores a "fazer coisinhas" para eles pensarem que estão a "participar". trata-se, isso sim, de RESPONSABILIZAR o espectador por aquilo que está a acontecer, ao ponto dele poder MESMO mudar o rumo da performance.

dogma 2005: "quem quiser diversão que vá à feira popular, quem quiser passar um bom bocado que ligue aos amigos, quem quiser esquecer os problemas lá fora que consulte um psiquiatra".

mas a palavra "certa" já tu a inventaste: "intercriatividade". um amigo meu (e também criador) inventou "interpassividade". tudo chega para evitar a abominável (e já tão velha) "interactividade".

o espectador não vai ("interactivamente") segurar na rede que tu precisas para se caíres não te magoares; o espectador vai tirar-te a rede, se assim o entender, para que tu caias e te magoes, ou então para que nem penses sequer em subir para o trampolim.